Política de Cookies

Este site utiliza Cookies. Ao navegar, está a consentir o seu uso.Saiba mais

Compreendi
aa

Sindicato Independente dos Médicos

Manuel Pizarro estica-se

22 março 2011

É rigorosamente verdade que o Governo, através do senhor Secretário de Estado Adjunto e da Saúde, propôs aos Sindicatos Médicos repristinar alguns artigos do anterior diploma das Carreiras Médicas para poder contratar médicos de família com vencimentos decentes, dada a incapacidade negocial para estabelecer uma grelha salarial para o regime de 40 horas semanais.

É rigorosamente verdade que os Sindicatos médicos, num assomo de pragmatismo, deram luz verde ao disparate, no pressuposto de transitoriedade até que se estabeleça a grelha salarial prevista.

O Governo, aprovado o DL em Conselho de Ministros e promulgado por SE o Presidente da República, pode contar com médicos de família que, querendo, assumam horários de 42 horas em exclusividade.

O que o Governo não pode contar, sendo rigorosamente falso, é que daquele horário resulte aumento da lista de utentes, pois mais horário, de 35 horas para 42 horas não significa mais doentes. O que significa é que os médicos ficam com mais horário para o Centro de Saúde e para consultas de recurso, SAP, Consultas Abertas, etc.

Quando se afirma que “cada um deles pode aceitar cerca de 250 doentes a mais, por terem este horário de 42 horas. Se estimarmos que abrangerá quase 500 médicos podemos estimar que haverá 125 mil portugueses que poderão passar ter médico de família graças a esta mudança de horário”, está-se deliberadamente a emitir uma informação falsa, a ser populista e a ser demagógico, o que, estando de acordo com a loucura do momento, em nada contribui para a seriedade negocial que se exige.

 

Últimos ConcursosVer Concursos

Torne-se sócio

Vantagens em ser sócio