Política de Cookies

Este site utiliza Cookies. Ao navegar, está a consentir o seu uso.Saiba mais

Compreendi
aa

Sindicato Independente dos Médicos

SIM apoia Médicos Internos do CH Universitário de Coimbra

13 novembro 2015

Assiste-se a um paradoxo da formação médica no Centro Hospitalar Universitário de Coimbra (CHUC), o que é tanto mais grave quanto este é o representante português do G8 da Saúde.

Os Médicos Internos do Centro Hospitalar Universitário de Coimbra denunciaram junto do SIM várias práticas em uso naquele Hospital e que, de acordo com a sua opinião, prejudicam profundamente a sua realização profissional a vários níveis:

- sentem-se pressionados (contra sua vontade) a realizar períodos de urgência em horas extraordinárias muito para além do que seria razoável (e legal), prejudicando a sua formação e o seu direito ao descanso.

- sentem-se frustrados a realizar actividades  em contexto de Serviço de Urgência sem qualquer propósito formativo, pois nada têm a haver com a sua Especialidade (Triagem geral numa denominada Área Médica 1).

- queixam-se de discriminação entre Médicos Internos de diferentes Serviços com obrigações distintas de intensidade de trabalho, de responsabilidade e de qualidade de formação, dentro da mesma Instituição, nomeadamente no caso da Área Médica 1.

Estas questões motivaram sucessivos apelos e pedidos de esclarecimento dos internos junto das Direcções de Serviço, Direcção de Internato Médico, Direcção Clínica e Conselho de Administração, sempre sem grande resposta ou impacto prático. A situação é tal que recentemente têm surgido várias notícias na comunicação social a denunciar o acima exposto, tendo mesmo sido dado conta de uma acção judicial movida contra o centro hospitalar pelo desrespeito dos limites legais das horas extraordinárias.

Por ser terminantemente contra qualquer actividade que prejudique a formação dos médicos internos, nomeadamente a postura de algumas administrações de encarar o internato como uma fonte de mão-de-obra barata, o SIM dirigiu, em 10 de Julho de 2015, um ofício ao Presidente do CA do CHUC solicitando explicações acerca daquelas práticas denunciadas.

Perante a ausência de resposta, foi reenviado novo ofício em 27 de Outubro de 2015 ao Presidente do CA do CHUC, reiterando o pedido de explicações.

Recebemos uma resposta do Director Clínico do CHUC em 3 de Novembro de 2015, em que é referido:

“Informamos que o trabalho extraordinário remunerado se deve revestir de carácter voluntário”

Assim, de acordo com esta regra da política de trabalho do CHUC, apenas os médicos que o manifestem (voluntários) deverão ser escalados em trabalho extraordinário.

O SIM disponibiliza minutas para que os médicos, de acordo com esta directiva dos CHUC, possam manifestar a sua indisponibilidade para realizar Horas extraordinárias.

Esperamos (e estaremos atentos) que esta postura seja respeitada pela Direcção Clínica do CHUC e que este seja um passo, dos vários que precisam de ser dados, na direcção da melhoria das condições de trabalho e formação dos médicos internos desta instituição.

Últimos ConcursosVer Concursos

Torne-se sócio

Vantagens em ser sócio