Política de Cookies

Este site utiliza Cookies. Ao navegar, está a consentir o seu uso.Saiba mais

Compreendi
aa

Sindicato Independente dos Médicos

Consulta do Turista no Algarve ou acto de propaganda

26 junho 2016

Chegou ao conhecimento do Sindicato Independente dos Médicos, em grandes parangonas na comunicação social e com claros aspetos propagandísticos, a divulgação do arranque de uma “Consulta do Turista” a começar no dia 1 de julho e a terminar no dia 15 de setembro em algumas praias seleccionadas para o efeito, no período ao fim da tarde, i.e. a abrir às 17h e terminar às 20 h. 

Num ambiente de pública e notória falta de médicos tanto nos Hospitais como nos Centros de Saúde o Ministério da Saúde, anuncia o aumento da oferta de cuidados de saúde tanto em locais como em tempo.

 O SIM há vários anos que vem clamando pela solução desses problemas e a lembrar a necessidade de atenção especial aos períodos de pico desta zona turística de excelência do nosso país, períodos esses que se estendem a cada vez mais dias durante o ano e com cada vez mais pessoas.

O SIM não quer contribuir para alarme social que possa afastar turistas do algarve, mas tem a obrigação de alertar para os atropelos da falta de planeamento e de atentado à dignidade da profissão médica e com funções que não cabem no conteúdo funcional da Carreira.

Os médicos no Algarve estão a prestar já hoje milhares de horas extra/ano em atendimentos complementares e a utentes sem médico, fazem-no apesar dessas horas continuarem a serem pagas a menos de 1/3 do que é contratualizado com as empresas de recrutamento e oferta de emprego a médicos muitas vezes indiferenciados.

Não é admissível que as medidas sejam anunciadas sem falar com os médicos.

Não é admissível que se imponham escalas sem a sua participação ou conhecimento, ou com mais de 2 horas extraordinarias diárias.

Não é admissível que se imponham escalas sem ter em conta compromissos já assumidos de assistências com os seus utentes, a sua vida privada e períodos de férias já aprovados.

Não é admissível que se imponham escalas sem ter em conta a necessidade de apoio de enfermagem e dos assistentes administrativos.

Os médicos querem continuar a trabalhar e continuar a colaborar na melhoria dos cuidados de saúde na região, mas não podem colaborar em desonestidades políticas mais viradas para propaganda do que para a qualidade dos cuidados de saúde.

Os médicos não toleram permitir que sejam criadas expectativas que não podem ser cumpridas e depois serem responsabilizados pela sua não efetivação.

O SIM Algarve irá solicitar com carácter de urgência uma reunião com a ARS Algarve e os diretores executivos dos ACES de forma a que o bom senso e o realismo imperem.

Partilhar

Tags

Últimos ConcursosVer Concursos

Torne-se sócio

Vantagens em ser sócio