Política de Cookies

Este site utiliza Cookies. Ao navegar, está a consentir o seu uso.Saiba mais

Compreendi
aa

Sindicato Independente dos Médicos

SIM responde ao Director Geral da Saúde

05 dezembro 2016

A DGS, e logo na pessoa do seu responsável máximo Dr. Francisco George, fez questão de pressurosa e publicamente responder ao alerta do SIM sobre os atestados médicos para a carta de condução, emitindo um Comunicado.

De responsável máximo para responsável máximo, interpretando o sentir do Secretariado Nacional do SIM e do seu Secretário-Geral, eis a resposta do Presidente do SIM (que poderá ser lida na íntegra acedendo ao link abaixo...).

........

Lendo com a máxima atenção o ali transmitido, verifico, sem qualquer surpresa, que o colega subscreve um Comunicado em que revela um total desconhecimento do que é actividade actual de um médico de família. Dezenas de anos de afastamento da prática clínica assistencial e muitos anos praticando e defendendo um fundamentalismo normativo, onde se incluem os que o rodeiam e aconselham, resultam num Comunicado com indesculpáveis falsidades e inverificáveis facilidades.

Nada, absolutamente nada do que subscreve se verifica.

Tudo, absolutamente tudo o que subscreve revela quem decide por programas em versão beta, por ecrãs estéreis de hipóteses assépticas em ambientes informáticos de excepção, irrepetíveis no dia a dia de um médico de família, esteja ele numa USF ou numa UCSP.

Como bem sabe, os dirigentes do SIM mantém a prática clínica assistencial no SNS. Estamos no terreno e sabemos do que falamos. Daí o Comunicado. Simples, directo e absolutamente verificável.

Também sabemos que está habituado à inércia dos destinatários das suas decisões e, mais grave, não está habituado ao contraditório. Só assim se justifica tanta assertividade no Comunicado e tanta facilidade em atropelar a verdade.

..........

Com o anterior sistema, obsoleto e em papel, o médico de família, conhecedor profundo do seu doente e do seu circuito clínico no SNS e na medicina privada, procedia a uma análise crítica com bom senso clínico e emitia, condicionava, restringia ou negava o atestado solicitado.

Com o novo sistema, moderno e electrónico, assente no mais puro fundamentalismo europeu, o médico de família submete-se a uma tortura, mendiga pareceres, que sabe inviáveis no SNS, desculpa-se de tempos de espera, a que é alheio, em acessos a consultas de Especialidades, e coloca-se, sem defesa, perante a fúria e a incompreensão dos doentes e dos seus familiares.

..................

E termina o presidente do SIM na sua resposta :

Por mim, simples médico de família, resta-me, defendendo o bom senso clínico e, no estrito âmbito do Regulamento nº 707/2016 da Ordem dos Médicos – Regulamento de Deontologia Médica – enquadrado pela Constituição da República Portuguesa, resistir à ordem técnica por si subscrita e não emitir o atestado electrónico para Carta de Condução logo que o processo que agora defende entre em vigor.

É sabido que o Sindicato Independente dos Médicos é amiúde apodado de padecer de um tal de SIP ( "Síndrome de Indignação Precoce")...

Deixá-lo ser... talvez seja por isso que as demais organizações médicas têm estado inertes...

Resposta SIM ao Director Geral da Saúde

Comunicado da DGS

 

 

Partilhar

Últimos ConcursosVer Concursos

Torne-se sócio

Vantagens em ser sócio