Política de Cookies

Este site utiliza Cookies. Ao navegar, está a consentir o seu uso.Saiba mais

Compreendi
aa

Sindicato Independente dos Médicos

Jornal i: “Se os internos pararem, o SNS pára”

16 março 2019
Jornal i: “Se os internos pararem, o SNS pára”
Jornal i, 15 março 2019, Marta F. Reis, marta.reis@ionline.pt

O Sindicato Independente dos Médicos admitiu esta semana convocar uma greve de internos no SNS depois de a ministra da Saúde ter retomado a ideia de implementar um "pacto de permanência" no SNS para os especialistas que se formam nos hospitais públicos e centros de saúde. Jorge Roque da Cunha, Secretário-Geral do SIM, explica os motivos na base do repto que lançaram.

O que vos leva a equacionar esta forma de protesto?

Os sindicatos médicos têm estado, pacientemente e com muito poucos resultados, num processo negocial com o Ministério da Saúde. Não é admissível que por questões de mera aritmética eleitoralista, a senhora ministra venha agora produzir declarações públicas que nunca concretizou em propostas ao longo deste processo negocial, nunca as abordou informalmente, e pretenda agora usar argumentos populistas passando o ónus da responsabilidade do número exíguo de médicos no Serviço Nacional de Saúde para os profissionais. (...)

Não estamos num regime soviético. Para se atrair os médicos para o SNS temos de dar condições de trabalho iguais àquilo que é dado pelas outras entidades. (...)

Não é admissível que a colossal carga de impostos sobre os cidadãos portugueses corresponda ao menor investimento de sempre no SNS. (...)

O Estado não paga a formação aos médicos, os médicos trabalham que nem mouros, fazem mais de 40 horas e são remunerados, e mal, pelo seu trabalho. Mais ainda: o Estado nem sequer paga o que quer que seja aos orientadores de formação. Qualquer formação do Fundo Social Europeu é paga por fundos comunitários e os médicos não recebem nem um tostão pelo facto de formarem os internos. Por isso, entendemos que a ministra tem de explicar muito bem as declarações que tem feito e que explicam a revolta que os internos sentem. (...)

Temos vindo a alertar, há mais de seis anos pelo menos, que dada a qualidade dos nossos especialistas, os governos nórdicos - Inglaterra, França - pelo menos duas vezes por ano vêm cá recrutar. Inglaterra está permanentemente a recrutar. Mas também há recrutamentos de Macau, do Médico Oriente. Objetivamente, há uma grande falta de especialistas a nível mundial e, portanto, o que temos já hoje são os governos estrangeiros a reconhecer e acarinhar os nossos internos e especialistas e um governo português a dar-lhes pouca importância e a achar que consegue retê-los obrigando.


Artigo completo em Jornal i.

Partilhar

Tags

Horas ExtraCalculadora

Torne-se sócio

Vantagens em ser sócio