Política de Cookies

Este site utiliza Cookies. Ao navegar, está a consentir o seu uso. Saiba mais

Compreendi
aa

Sindicato Independente dos Médicos

Desabafo de um Médico farto do modelo de trabalho que lhe querem impor

25 março 2014

De um nosso associado, Médico de Família a trabalhar numa USF, recebemos o seguinte comentário, que reproduzimos na íntegra:

Se isto continuar como está, irei pensar em como sair da minha USF mod B, sem penalizar a Equipa que me acolheu... Se há quem esteja aflito por entrar, melhor para mim... Mais fácil é sair!

É que para executar o que pretendem que eu faça, não precisava do esforço do curso de medicina, nem das minhas duas horas diárias que continuo a dedicar ao estudo: basta ter algumas noções de contabilidade e gestão, e paciência para todos os meses descarregar as folhas cálculo do SIARS. Não foi para isso que me preparei! E agora até vamos ter que "convencer" todos os utentes a aderirem aos "programas" de vigilância, queiram ou não, porque os indicadores deixam de considerar a opção de não vigilância do utente como relevante... Estamos a caminho de nos tornarmos apenas vendedores do Ministério da Saúde, na vertente mais autocrática... Já só falta começarmos a expulsar os "não cumpridores" dos nossos ficheiros. Ou, pior, a aldrabar a população para fazer o que se pretende que faça... Isto começa a cheirar ao que de pior fez o Estado Novo (com o apoio de muitos que se poem em bicos de pés por se auto intitularem democratas e de esquerda).

Acho que nos estão a aplicar o mesmo modelo que levou os bancos ao estouro do subprime... Números e indicadores complexos, cada vez mais complexos e mais opacos, até para os peritos, com conteúdo cada vez mais escasso. Resultados? Mais números. Pelos vistos a recessão não chegou para aprenderem que as coisas reais, precisam de realidade. Gostam da agitação e do ruído, não percebem nada do miolo da questão e estão-se nas tintas para as pessoas!

Já não tenho idade para emigrar, de modo que continuarei "por aí". Mas não é verdade que os que emigraram o fizeram como uma forma de desistir: parece-me que é exatamente o oposto, é a opção lógica para não ser engolido até no mínimo de dignidade que ainda nos resta. Fico desapontado com a (in)capacidade dos médicos em se assumirem como tais. Parece que deixou de haver doentes. Será que entre a eugenia do rastreio pré-natal, o aborto e a (futura) eutanásia, já não sobrará ninguém doente para cuidar?...

Olhem que não, olhem que não!

Últimos Concursos Ver Concursos

Torne-se sócio

Vantagens em ser sócio