Política de Cookies

Este site utiliza Cookies. Ao navegar, está a consentir o seu uso.Saiba mais

Compreendi
aa

Sindicato Independente dos Médicos

Médicos com bens pessoais violados e vandalizados

22 fevereiro 2011

O SIM, na sequência das eleições para a OM e respeitando os seus compromissos, suspendeu as Greves em curso no Serviço de Ortopedia do Hospital Dr. Nélio Mendonça e acautelou presença na comunicação social de modo a criar uma janela favorável à resolução dos conflitos, especialmente para retorno dos médicos internos à formação de especialidade naquele Hospital, situação preocupante e suspensa desde 1 de janeiro.

O Senhor Secretário Regional dos Assuntos Sociais da RAM solicitou os préstimos ao IGAS para uma auditoria ao Serviço de Ortopedia, decisão em que não participámos, como é óbvio, mas que mereceu o aplauso na senda do aforismo popular: quem não deve não teme.

O Director Clínico do SESARAM aproveita a janela de paz para continuar os seus jogos bélicos, acintosos e persecutórios.

Mesmo com a presença de dois Inspectores do IGAS, ali deslocados com missões claras de Auditoria a um Serviço doente, numa atitude mal educada e prepotente o Director Clínico mostra quem manda e, passando por cima do Secretário Regional ou, pelo menos, com o seu inqualificável silêncio, aproveita para escaqueirar mais uma parcela do Serviço de Ortopedia, encerrando Unidades, destruindo equipas multiprofissionais, retirando camas e, não contente com o assomo de homenzinho valentão, toca de remexer, destruir e vandalizar objectos pessoais dos médicos do Serviço.

Infelizmente a protecção política directa do Dr. Alberto João Jardim permite que continue a grassar este estado de impunidade verberado por quem tem um passado e um presente que recomendariam outra humildade.

Sofrem os médicos, sofrem os doentes, sofre, dolosamente, a jóia da coroa Autonómica: o Serviço Regional de Saúde.

O SIM, como lhe compete, protesta e envia para as entidades políticas competentes a informação precisa e datada dos nefastos acontecimentos. Os médicos, como lhes compete solicitam intervenção das autoridades policiais e judiciais.

Estão todos avisados. Doravante são todos coniventes. TODOS.

Carta Protesto do SIM Link

Últimos ConcursosVer Concursos

Torne-se sócio

Vantagens em ser sócio