Política de Cookies

Este site utiliza Cookies. Ao navegar, está a consentir o seu uso.Saiba mais

Compreendi
aa

Sindicato Independente dos Médicos

Abertura de serviços de catering na João Crisóstomo?

15 maio 2014

Corre na Comunicação Social, interlocutor privilegiado do Ministério da Saúde nos últimos tempos, a notícia da eminência de um Despacho que visa moralizar o desempenho dos agora assim designados colaboradores e agentes do SNS, em nome da ética suprema, quiçá como balão de ensaio para outras iniciativas moralizadoras a desencadear nos vários departamentos e gabinetes governativos, parlamentares, etc. etc.

Segundo refere o Jornal I “Todos os colaboradores do Serviço Nacional de Saúde que recebam ofertas pelo desempenho de funções terão de as registar e entregar à Secretaria-Geral do Ministério da Saúde, devendo ser doadas a instituições de solidariedade. Esta é uma das medidas com as quais o Ministério da Saúde tenciona reforçar os padrões de ética profissional e o "combate à corrupção, informalidade e posições dominantes" no SNS. Todos os colaboradores, independentemente da profissão, vão ter de passar a respeitar regras no atendimento ao público, antecipar conflitos de interesses, mesmo pessoais, cumprir o dever de sigilo ou respeitar regras de requisição de material, passando a estar sujeitos a responsabilidade disciplinar em caso de incumprimento”.

O Sindicato Independente dos Médicos nada tem contra as doações a instituições de solidariedade, antes pelo contrário é algo que se louva. Mas fica com uma enorme curiosidade em ver como vai ser montada a logística da recepção, envio, transporte e armazenamento de ofertas na Secretaria-Geral do MS, nomeadamente as vivas e as perecíveis. Não nos parece que os Serviços Partilhados do Ministério da Saúde (SPMS) para tal tenham vocação, mas… às tantas estão a pensar em criar um “Casão” à boa maneira militar… talvez até seja criado o posto de trabalho de Gestor de Ofertas… e até pode dar para fazer catering… quem sabe? É um mundo de possibilidades que se abre!

Mas ironia à parte, coisas mais importantes têm de ser salientadas no projecto de despacho sobre o tal Código de Ética (CE) a ser elaborado por cada instituição tutelada, e quanto a essas sim o SIM não pode deixar de manifestar a sua discordância e firme oposição:

É muito duvidosa a possibilidade legal de serem, via CE, as entidades tuteladas a definir “as concretas situações que constituem impedimento” visto que a matéria dos impedimentos e incompatibilidades está reservada a fonte de Direito não-governamental sequer, isto é, a lei parlamentar;

De igual modo aborda o “Dever de confidencialidade”, em moldes muito dificilmente aceitáveis, porque restritíssimos e assim incompatíveis com direitos e liberdades constitucionais e legais dos trabalhadores da Administração Pública, como sejam a liberdade de expressão e o direito de exercício da atividade sindical que lhes assiste;

Em nota final, não se poderá deixar de saudar, em princípio, a presente iniciativa do Ministério da Saúde, na medida em que pretenda harmonizar e fazer frutificar a existência – em todo o universo do SNS – de CE, lamentando-se é que não seja conhecida análoga iniciativa para harmonizar e fazer frutificar a existência – também em todo o universo do SNS – das “Normas particulares de organização e disciplina do trabalho médico” que as convenções coletivas da Carreira Médica impõem, mediante um procedimento análogo, em que o Gabinete ministerial orientasse, via a criação de um modelo de texto, as entidades públicas cuja tutela detém.

Últimos ConcursosVer Concursos

Torne-se sócio

Vantagens em ser sócio